Colonialism of the Mind – Part I | “Colonizar as Mentes” – Parte 1
Dady Chery

pontificating

By Dady Chery

Haiti Chery

English | Portuguese

Les intellectuels ont toujours été des courtisans. Ils ont toujours vécu dans le ‘palais.’ Pier Paolo Pasolini (1922-1975)

Western journalists increasingly assume the voices of subjugated countries’ natives while muzzling them by denying them access to the press. In the United States, the more visible venues of the alternative press, such as online news sites Truthout, Common Dreams, and Huffington Post are essentially closed to native writers. This colonialism of the mind is rampant when it comes to Haiti.

Inspect the U.S. alternative press for news of Haiti. You will find articles there by Beverly Bell, Mark Weisbrot, Robert Naiman, Jane Regan, Noam Chomsky, Stephen Lendman, and others, but you will be hard put to find a Haitian name. Westerners, whatever their political leaning, do reserve their right to rule the world, and the right to pontificate to the ignorant natives is very much a part of it.

The current war against Haiti is an economic and propaganda war that requires a liberal use of aid money to undermine Haitian culture and agriculture. Such a war would be impossible without a simultaneous disinformation campaign to persuade the U.S., Canadian, and European public that their funds benefit Haiti. This is the task of the high priests of journalism. They promote the neoliberal agenda and encapsulate their disinformation in reasonable-seeming and progressive-sounding language.

On one issue after another, American speakers for Haiti cleverly echo “talking points” that are meant to enable neo-colonial policies. Their work is more insidious than that of the mainstream press, which is limited in its capacity to editorialize. In the hands of the colonialists of the mind, disinformation becomes a lethal candy: a cyanide pill coated with leftist-sounding sugar, much of it collected from the less visible publications of unacknowledged writers.

Satellite image of Isaac at 13:15 EST on Friday, August 24, 2012 (Credit: NOAA).

Makeshift rain water harvesting system (Credit: Bhutan Observer).

Blaming Isaac

Consider for example the recent Truthout article titled “Disaster Capitalism in New Orleans and Haiti”, in which Beverly Bell, who directs several NGOs and sits on Truthout’s board of trustees, promoted two mainstream “talking points” about Haiti:

1. Expect a massive resurgence of cholera due to tropical storm Isaac.

2. Expect intense hunger due to Isaac.

Before her article, the same points had been vigorously repeated by Michel Martelly, the U.N. and the U.S. government, with the aim of attracting a new infusion of aid money. The first point is unfounded, and the second is untrue. It is more reasonable to assume that the vast quantities of potable rainwater contributed by the storm should help to prevent, rather than promote, cholera. As for Haiti’s agricultural production: it plummeted by 20% last year and was expected to crash this year due to USAID policies, and quite without any help from a natural disaster.

The two talking points — presented early in Bell’s article — are actually the reason for the article. The rest is decoration with history, culture, and politics liberally borrowed from the essay “New-Orleans & Port-au-Prince: Two Tales Of Government Failures”, published two years earlier by Gilbert Mercier in News Junkie Post.

I invite the reader to compare the two articles and learn to recognize the strategy of embedding items of disinformation within a text that appears to be truthful and progressive.

The same unfounded talking point linking Isaac to cholera is echoed by the NGO, Center for Economic and Policy Research (CEPR), in “Tropical Storm Isaac Heads for Haiti, Likely to Leave a Spike in Cholera in its Wake”.

Nepalese U.N. soldiers direct a line for food and water after the earthquake (Credit: Andres Leighton/AP).

“A disease of the poor”: Haitians as the unhygienic ones

The above predictions from Isaac were not the first campaign to blame cholera on something other than its actual source. When cholera first appeared in Haiti in October 2010, the disease, which was certainly known by U.S. and U.N. authorities to originate from U.N. troops, was immediately attributed to the terrible hygiene of the Haitian poor and, by extension, predicted to grow into a massive epidemic, especially in the homeless camps.

Tanker truck dumps excrement from Nepalese U.N. base 400 meters away from the base in Mirebalais, Haiti, on October 27, 2010 (Credit: AP/Ramon Espinosa).

On November 18, 2010 CNN wrote:

“A lack of treated drinking water, coupled with poor hand hygiene and food-preparation practices, make the 1.3 million people still living in camps particularly vulnerable, according to a new study published by the U.S. Centers for Disease Control and Prevention….

“The CDC has said the strain of the cholera bacteria responsible is “indistinguishable” from one found in other parts of the world, including south Asia, but researchers are unlikely to be able to pinpoint how it arrived in Haiti.”

About one month later, Beverly Bell enjoined with the statements:

“This past week has… provided the perfect conditions for a spike in cholera, what Partners in Health calls ‘a disease of poverty’ which impacts those without safe drinking water…. Because sanitation workers could not get to the camps, toilets and garbage overflowed to extremes…. The sporadic rains throughout the week, moreover, spread contaminated water and sewage, perfect vectors for the disease.”

This enthusiasm to blame the poor for their misfortune was decorated with passionate language that appeared to defend the poor and decry their living conditions. In fact, the cholera predictions were unfounded. Haiti’s cholera outbreak was most serious, not in the camps in Port-au-Prince – home of the poorest of the poor — but in a pristine rural region that had become contaminated by the wastes of Nepalese soldiers from a U.N. base.

There was never any basis to the prediction that cholera would become epidemic in Haiti, and there is still no basis to the predictions that it will spike or indefinitely continue. In April 2012 Dr. Renaud Piarroux argued that Haiti’s cholera could be gone in a matter of months, and as Cuba has showed, an outbreak of cholera can be stopped in as few as 60 days with the appropriate education, epidemiological surveillance, care, and provision of clean drinking water.

Sources: Haiti Chery | News Junkie Post | Featured image credit: Altered Focus

Related:
–  Colonialism of the Mind – Part II

Por Dady Chery

Haiti Chery

inglês | português

Traduzido do inglês por Coletivo de Tradutores Vila Vudu, São Paulo, Brazil

“Os intelectuais sempre foram cortesãos. Sempre viveram no palácio.” – Pier Paolo Pasolini (1922-1975)

Jornalistas ocidentais estão, cada dia mais, roubando a voz dos nativos de povos subjugados, enquanto os engambelam e negam-lhes acesso à imprensa-empresa. Nos EUA, os veículos mais conhecidos da imprensa-empresa alternativa, sites de notícias como Truthout, Common Dreams, e Huffington Post são absolutamente vedados para escritores nativos de povos subjugados. No que tenha a ver com o Haiti, essa colonização da mente é rampante.

Inspecione a imprensa-empresa alternativa nos EUA à procura de notícias sobre o Haiti. Você encontrará artigos assinados por Beverly Bell, Mark Weisbrot, Robert Naiman, Jane Regan, Noam Chomsky, Stephen Lendman e outros, e não encontrará um único autor/colunista/escritor haitiano. Ocidentais têm tendências políticas próprias, reservam para eles o direito de comandar o mundo; e o direito de dar lições aos nativos ignorantes é parte do direito de comandar o mundo.

A atual guerra contra o Haiti é guerra econômica e de propaganda que exige uso ‘frouxo’ do dinheiro de ajuda ‘humanitária’, para minar a cultura e a agricultura do Haiti. Essa guerra não seria possível sem campanha simultânea de desinformação, para persuadir o público nos EUA, no Canadá e na Europa de que o dinheiro deles ajuda muitíssimo o povo do Haiti. Essa, precisamente, é a tarefa dos altos sacerdotes do jornalismo. Os altos sacerdotes do jornalismo-empresa promovem a agenda neoliberal e encapsulam, mascaram, travestem a desinformação que lhes cumpre distribuir, sob a forma de linguagem aparentemente racional e ponderada e que parece muito progressista.

Sobre um tema depois do outro, norte-americanos que falam ‘pelo Haiti’ espertamente repetem e repetem os “tópicos para noticiário” [orig. talking points] que são pensados e redigidos para viabilizar políticas neocolonialistas. O trabalho desses profissionais ditos ‘alternativos’ e ‘independentes’ é muito mais insidioso que o da grande imprensa-empresa dominante, porque a grande imprensa-empresa dominante é limitada à editorialização das mentiras. Nas mãos dos colonizadores de mentes, a desinformação é como um pirulito envenenado com cianureto: uma balinha letal revestida com açúcar esquerdista, quase todo ele recolhido de publicações pouco conhecidas onde escrevem escritores desconhecidos.

Imagem de satélite do Isaac às 13:15 EST na sexta-feira 24 de agosto, 2012 (Crédito: NOAA).

Improvisado chuva sistema de captação de água (Crédito: Bhutan Observer).

A culpa é da tempestade tropical Isaac

Considere por exemplo o artigo publicado em Truthout sob o título de “Capitalismo de Desastre em New Orleans e no Haiti”, no qual Beverly Bell, que dirige várias organizações não governamentais (ONGs) e integra o corpo de acionistas editores de Truthout promoveu dois daqueles “tópicos para noticiário” sobre o Haiti:

1. Deve-se esperar ressurgência massiva do cólera, por causa da tempestade tropical Isaac.

2. Deve-se esperar fome intensa, por causa da Isaac.

Antes do artigo dela, os mesmos tópicos haviam sido intensivamente repetidos por Michel Martelly, pela ONU e pelo governo dos EUA, com o objetivo de atrair novas levas de dinheiro de ajuda. O primeiro tópico é infundado; o segundo, é absolutamente falso. Mais razoável é assumir que as vastas quantidades de água potável de chuva, que a tempestade trouxe, poderiam ajudar a prevenir, em vez de promover, qualquer ‘ressurgência massiva’ do cólera. Quanto à produção agrícola do Haiti, caiu 20% em 2011 e espera-se que desabe em 2012, por causa das políticas da USAID, e praticamente sem nenhuma ajuda de qualquer desastre natural.

Os dois “tópicos para noticiário” – repetidos no artigo de Bell – são, na verdade, a razão de ser do artigo: foi escrito para repetir aqueles “tópicos” e implantá-los na chamada ‘opinião pública’. O resto é ‘decoração’, metáforas de história, cultura e política copiadas do ensaio “New-Orleans & Port-au-Prince: Dois contos de dois fracassos do governo” publicado dois anos antes por Gilbert Mercier no News Junkie Post.

Convido o leitor a comparar os dois artigos, para aprender a reconhecer a estratégia pela qual são introduzidos os itens de desinformação, no quadro de um texto que parece correto e progressista.

O mesmo tópico para noticiário – sem qualquer fundamento científico – que liga o cólera e a tempestade tropical Isaac aparece repetido também por a ONG “Centro para Pesquisa Econômica e Política” (Center for Economic and Policy Research, CEPR) em “Tempestade Tropical Isaac avança para o Haiti e fará aumentar o número de casos de cólera quando lá chegar”.

Soldados nepaleses da ONU direcionar uma linha de comida e água após o terremoto (Credito: Andres Leighton/AP).

“Uma doença da pobreza”: os haitianos como sujos, sem higiene

As ‘previsões’ acima, sobre a tempestade tropical Isaac, não foram a primeira campanha para atribuir a responsabilidade pelo surto de cólera a qualquer coisa, desde que não fosse a fonte real.

Quando o cólera apareceu pela primeira vez no Haiti, em outubro de 2010, a doença, que com certeza era bem conhecida das autoridades norte-americanas e da ONU, porque começou entre tropas da ONU, a doença foi imediatamente atribuída às terríveis condições de falta de higiene em que viviam os haitianos mais pobres; e, assim sendo, previa-se que se convertesse em epidemia, sobretudo nos campos de desabrigados.

Caminhão-tanque despeja excrementos da base nepalesa da ONU a 400 metros de distância da base em Mirebalais, Haiti, em 27 de outubro de 2010 (Crédito: AP / Ramon Espinosa).

Dia 18/11/2010, a CNN escreveu:

“Carência de água potável, combinada com falta de higiene nas mãos e na preparação dos alimentos, torna as 1,3 milhão de pessoas que ainda vivem nos campos particularmente vulneráveis, segundo recente estudo publicado pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CPCD) dos EUA (…).

“O CPCD disse que a cepa da bactéria do cólera responsável é “impossível de distinguir” de outra encontrada em outras partes do planeta, inclusive no sul da Ásia, mas os pesquisadores não têm ideia de como chegou ao Haiti.”

Cerca de um mês depois, Beverly Bell incorporou-se e já ‘noticiava’ os mesmos “tópicos”:

“A semana passada trouxe condições perfeitas para um pico no número de doentes de cólera – que os Parceiros para a Saúde [ONG, orig. Partners in Health] chamam de “uma doença da pobreza” que impacta os que não recebem água potável segura (…). Porque os encarregados da higiene e limpeza não conseguiam chegar aos campos, os vasos sanitários e o lixo acumulou-se a extremos terríveis (…). As chuvas esporádicas durante a semana passada, além do mais, fizeram alastrar-se a água e os esgotos contaminados, vetores perfeitos para a doença.”

Esse entusiasmo no serviço de culpar os pobres por suas degraças veio engalanado em linguajar apaixonado, que parecia defender os pobres e lastimar suas condições de vida. Na verdade, todas previsões sobre o cólera não tinham qualquer fundamento. O local no qual o cólera alastrou-se mais ampla e mais violentamente, não foi os campos de desabrigados em Port-au-Prince – onde vivem os mais pobres de todos os pobres do Haiti – mas uma região limpíssima, ultra limpa, rural, que foi contaminada pelos esgotos de uma base da ONU onde viviam soldados do Nepal.

Jamais houve qualquer fundamento para a predição de que o cólera tornar-se-ia epidêmico no Haiti, e ainda não há qualquer base para prever se a epidemia aumentará ou se continuará indefinidamente. Em abril de 2012, Dr. Renaud Piarroux argumentou que o cólera no Haiti poderia estar erradicado em apenas poucos meses, como Cuba mostrou que é possível. Na província de Granma, os médicos cubanos conseguiram deter epidemia de cólera em apenas 60 dias, com medidas apropriadas de educação e treinamento para a população, vigilância epidemiológica, atenção adequada aos doentes e fornecimento de água potável desinfetada.

Fontes: News Junkie Post (inglês) | Primeira imagem: Altered Focus

Leave a Reply